Bem-vindo ao Blog Celso Branicio -

Pesquisar dentro deste blog

Mostrando postagens com marcador Páginas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Páginas. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 31 de março de 2014

Crônica Dominical 30/03/2014 - Dicas e estratégias para você arrasar nos concursos (Celso R. Branicio)

Crônica Dominical 30/03/2014 - Dicas e estratégias para você arrasar nos concursos (Celso R. Branicio)

Caros colegas internautas eu inauguro neste domingo uma série de crônicas, contos e textos que sempre na medida do possível pretendo publicar todos os domingos para trocar ideias e experiências com vocês, todas as postagem de comentário serão bem vinda e enriquecerá ainda mais nossa discussão do tema semanal. 

Nesta semana vou reproduzir um comentário que fiz aos meus amigos servidores da Educação que fizeram prova neste domingo de Promoção do QAE, uma prova interna para promoção e que faz parte do plano de carreira deles.

Segue abaixo uma série de dicas que aprendi estudando e principalmente ralando nos concursos públicos que fiz até hoje, sempre fui promovido nos locais onde trabalhei e usando o conhecimento adquirido e o estudo para ser aprovado e subir de cargos, é claro que muitas vezes quebrei a cara outras vezes consegui passar em primeiro ou entre os primeiros, mas tudo serve como experiência para melhorarmos cada vez mais, eu fiquei um pouco estagnado nos últimos anos me dedicando a terminar a faculdade de Educação Física, mas agora estou de volta à vida de concurseiro, as dicas são apenas umas sínteses de várias outras, em breve postarei outras dicas de grandes profissionais do mercado e concurseiros experientes, mas segue abaixo minha humilde contribuição. 

Vamos às dicas: 

Procure dormir bem e comece pelas questões mais fáceis para ganhar mais confiança, se terminar antes do tempo, procure analisar uma a uma as questões em que teve dúvida e se for chutar faça estatística de quanto deu em cada opção e qual opção (A,B,C,D ou E) foi mais anotada e qual foi menos anotada, normalmente existe um certo equilíbrio.

Um exemplo, se temos 60 questões com cinco alternativas, então teremos em média 12 questões com cada opção (A,B,C,D e E), mas muitos elaboradores de prova costumam em alguns casos alterar este equilíbrio, então se tiver até 14 ou 10 em uma opção estará normal, acima disto ou abaixo disto dificilmente ocorrerá, e se ocorrer é porque você errou alguma questão e se houver um desiquilíbrio muito grande numa opção a mais ou a menos verifique as distorções, normalmente se tem 20 respostas com opção “A” neste exemplo de prova com 60 questões, e 20 respostas com opção “E”, por exemplo, certamente haverá grande possibilidade de que algumas repostas de ”A” na verdade serem “E”.

Veja que se você teve alguma questão com dúvida entre “A” e “E” e acabou anotou “A”, por exemplo, a resposta teoricamente deveria ser “E”, é claro que tudo isto é muito relativo, mas muitas vezes isto pode te orientar e ajudar na hora “H”, já cheguei a acertar uma questão de Direito no concurso do Detran e era a mais difícil daquele concurso, apenas usando esta tática e eu não sabia quase nada da questão.

Se houver prova à tarde, procure não comer nada pesado para não causar sonolência por causa da digestão mais lenta, coma alimentos bem leves de fácil digestão ou almoce bem mais cedo, procure também levar uma garrafinha de água para se hidratar e uma barra de chocolate se tem hábito de comer de 3 em 3 horas e de repente baixar sua taxa de glicose.

Outro detalhe importante verifique também o gabarito oficial com o rascunho e se são iguais, procure também marcar a lápis primeiro só no final passe para caneta quando tiver acabado ou se for daquelas questões cravadas que você tem 100% de certeza aí por estratégia é bom ir anotando em definitivo para ganhar tempo, mas se assegure de que tem certeza mesmo para não se arrepender depois, pois, normalmente não dão outro gabarito se errar.

Procure também no final analisar as respostas de seu caderno de questões com o que foi colocado no gabarito, muitas vezes nós fazemos a conferência do gabarito oficial com o rascunho só que podemos sem querer errar na transcrição do caderno de respostas para o gabarito rascunho, eu já perdi uma questão desta forma no último concurso que fiz e perdi 4 posições, mas como tinha muitas vagas não fui prejudicado, mas poderia ser a diferença entre ser aprovado dentro do número de vagas ou não, fiquem espertos e principalmente não tenham pressa.

Tire o dia apenas para o compromisso do concurso, esqueça outros afazeres e programas ainda que familiares, certamente eles vão compreender isto e é importante para você, a maioria das pessoas que saem mais cedo não vão estar entre as primeiras colocadas e se ficarem, pode ter certeza de que se utilizassem o tempo restante ficariam ainda melhores ou até em primeiro.

O tempo foi programado para vocês fazerem tudo de forma confortável em 4 horas, é claro que se não estudou nada, nem deveria estar fazendo a prova e aí de fato não adianta muito ficar até o fim, mas na média ainda que a prova esteja fácil, raramente alguém conseguiria fazer tudo e gabaritar em duas ou três horas, não se preocupe com os examinadores, eles são pagos para isto e se for o caso para ficarem até o término da prova, pense em responder todas as questões com segurança e fazendo tudo da melhor maneira possível.

Nunca se esqueça de levar o material estritamente permitido no concurso, caneta preta e azul se o edital permitir, assim como lápis e borracha se for permitido, relógios só analógicos e mesmo assim se constar esta permissão no edital.

Procure levar sempre mais de uma caneta, pois, se estragar poderá ser prejudicado ou no mínimo perder tempo.

Fique atento ao horário de fechamento dos portões, procure chegar antes, já perdi concurso por não ter Moto taxi na hora e eu havia me esquecido de reservar antes, já perdi um concurso em Rio Preto e outro em Ribeirão porque o motorista do ônibus da empresa de cursinho que eu usei não conhecia a cidade e chegou atrasado ao local e não pude fazer a prova, então seja prevenido e organizado para evitar tais incidentes, certamente em alguns casos isto não tem como prever, como estourar um pneu ou uma pane em veículo, mas sempre que possível temos de analisar a questão tempo de transporte e logística para não termos surpresas desagradáveis e não podermos fazer uma prova da qual poderíamos ser aprovados.

Analise o enunciado da pergunta, mesmo nas questões objetivas com múltiplas escolhas, não são as respostas que te interessa e sim as perguntas, parece óbvio, mas muitos caem nesta e se perdem nas opções de respostas sem terem entendido direito as perguntas, quando você vai fazer uma prova dissertativa aí você percebe claramente a importância de prestar atenção na pergunta, pois, não vai ter resposta para escolher, mas o que importa é analisar bem as perguntas, se teve dúvida anote e verifique no restante da prova se tem alguma outra pergunta semelhante sobre este tema, muitas vezes achamos a resposta como alternativa em outras questões.

Veja que tem provas em que isto ocorre duas, três ou mais vezes, mas na maioria ocorre pelo menos uma vez, raramente deixa de ocorrer e você acaba acertando mesmo sem saber quase nada sobre aquela questão, só na técnica e na lógica, normalmente elas estão no final e você só as vê quando já respondeu a pergunta, então pesquise rapidamente sempre.

Procure assim que for liberado fazer a questão dissertativa, não deixe de responder. Veja que na prova objetiva com múltiplas escolhas você pode encontrar questões que te ajude na elaboração da resposta, verifique questão por questão se tem alguma que falou sobre o assunto da prova dissertativa, se tiver e muitas vezes têm, procure não copiar com as mesmas palavras, mas interprete o que entendeu e escreva a resposta.

Em breve postarei mais matérias sobre este assunto, no próximo domingo postarei outro texto com o assunto mais relevantes da semana, espero que tenham gostado da matéria desta semana e até o próximo domingo.

Barretos, 30 de março de 2014.




Celso Rodrigo Branicio

Licenciado em Educação Física pela UnB e Pós Graduado em Análise de Sistemas pela Universidade Federal de Uberlândia-MG.






quinta-feira, 20 de março de 2014

A importância da preparação física para atletas de rodeio de montaria em touros

Arquivos neste item:

Arquivo  Descrição  Tamanho  Formato

2012_CelsoRodrigoBranicio.pdf   4,04 MB   Adobe PDF   ver/abrir



Título:  A importância da preparação física para atletas de rodeio de montaria em touros
Orientador(es):  Reis, André Luiz Teixeira
Data de apresentação: 2012
Data de publicação:  28-Jun-2013

Referência:  BRANICIO, Celso Rodrigo. A importância da preparação física para atletas de rodeio de montaria em touros. 2012. xi, 77 f., il. Monografia (Licenciatura em Educação Física)—Universidade de Brasília, Universidade Aberta do Brasil, Barretos-SP, 2012.

Resumo: 
O rodeio é hoje o esporte que mais cresce no país e com isto aumenta também a quantidade de atletas envolvidos nestes eventos, desta forma foi feito uma pesquisa visando levantar o tema: “à importância da preparação física dos atletas de rodeio de montarias em touro”. O trabalho foi realizado através de uma pesquisa qualitativa usando questionário, analisando dois atletas de alto nível tidos como experientes e mais dois atletas em inicio de carreira. A pesquisa foi realizada no parque do peão durante a 57ª Festa do peão de Barretos-SP no período de 16 a 26 de agosto de 2012 e no Brahma Super Bull PBR de Olímpia-SP de 14 a 17 de novembro de 2012. Pesquisei ainda um líder sindical dos atletas e um organizador de rodeio. Fiz ainda um estudo sobre obras similares e encontrei poucas infelizmente, denotando necessidade de mais trabalhos científicos sobre este tema. No final ficaram claro algumas tendências: 100% dos entrevistados fazem preparação física, porém apenas 50% deles alegaram que utilizam profissionais formados, ou seja, alguns fazem a preparação por conta própria ou com pessoas despreparadas. Os custos de contratação destes profissionais segundo 75% dos entrevistados deveriam ser pago pelos próprios atletas e exatamente 75% alegaram também terem condições de pagar um personal trainer, porém, outros 25% que disseram não, mostram que nem todos têm condições, principalmente os novatos e o ideal seria algum clube ou associação fazer o pagamento destes educadores físicos. Só que hoje são poucas as associações nesta área como a PBR Brasil. Outra solução segundo os entrevistados seria a criação de centros de treinamento nas cidades que promovem este tipo de evento. Ficou latente a criação de um novo campo de atividade para a Educação Física. É necessário mais estudos sobre o assunto, mas pelo que diz os entrevistados e a literatura, à tendência maior é que a Educação Física é de fato importante na preparação Física dos atletas de rodeio. 
_____________________________________________________________________________

ABSTRACT
The rodeo is now the fastest growing sport in the country with an increasing number of athletes becoming involved in these events. That motivated the development of this research which has as subject "the importance of physical training of rodeo bull rider athletes". The study was conducted assessing qualitatively the feedback from the athletes in the field through a questionnaire, analyzing two top bull riders, taken as experienced athletes, and two other athletes in early career. The research was conducted at “Parque do Peão” during the 57th Rodeo Festival of Barretos-SP, which occurred from 16 to 26 August 2012, and the Brahma Super Bull PBR Olimpia-SP, which occurred from 14 to 17 November 2012. Research data was also acquired from interviews with a rodeo union leader and a rodeo organizer. An extensive literature review on the topic showed a lack of similar research and evidenced the need to develop more scientific studies on this important field. Results from this research show clear trends. 100% of the athletes who participated in the research in fact do physical preparation. However, only 50% of them claimed to have utilized certified professionals. The other 50 % do their physical preparation by themselves or use non-certified professionals. According to 75% of the athletes consulted the cost of hiring these professionals should be covered by the athletes themselves. 75% of the athletes in fact claimed to be able to afford a personal trainer. However, the other 25% of the athletes, including mostly those in early career, who cannot afford a personal trainer, show that ideally some professional club or association should provide these physical educators. However, today there are few organizations in this area such as the PBR Brazil, which could provide such training. Another solution according to the interviewees would be the creation of training centers in cities that promote this type of event. This research indicated the development of a new field of activity in Physical Education. Additional work is needed to better clarify this field and the actual physical training needs of the rodeo bull rider athletes. However, this preliminary assessment of the topic based on the interviews and the literature review indicates that in fact Physical Education is of key importance for the physical preparation of rodeo bull rider athletes.

Informações adicionais: 
Monografia (graduação)—Universidade de Brasília, Universidade Aberta do Brasil, Faculdade de Educação Física, Licenciatura em Educação Física a Distância, 2012.

Aparece na Coleção: Educação Física



 

Este item está licenciado na Licença Creative Commons

Creative Commons


BDM - Biblioteca Digital de Monografias (UnB - Universidade de Brasília)

http://bdm.bce.unb.br/handle/10483/5456



Leia a Monografia completa clicando abaixo em Click to read:






TCC - Trabalho de Conclusão do curso de Educação Física da UnB - Monografia: A IMPORTÂNCIA DA PREPARAÇÃO FÍSICA PARA ATLETAS DE RODEIO - (BRANICIO, Celso Rodrigo) - Foto da Estátua Jeromão em homenagem ao Atleta de Rodeio no Parque do Peão em Barretos-SP 





quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

DERMEVAL SAVIANI - RESENHA DE TRABALHO E EDUCAÇÃO: FUNDAMENTOS ONTOLÓGICOS E HISTÓRICOS


Palavras-chaves: relação trabalho-educação; fundamentos histórico-filosóficos da educação; educação politécnica.

Este artigo nos leva a conhecer melhor os fundamentos históricos ontológico da relação trabalho e educação. 

Ele nos mostra esta relação em diversas etapas, é muito elucidativo ao explicar os conceitos básicos de como nasceu o capitalismo, o comércio, a divisão de classes e consequentemente a divisão da educação, passando pelo comunismo primitivo e avançando no tempo até o comunismo de Marx e Lenin e a discussão sobre educação politécnica e como ela ocorre hoje e algum tempo atrás, quando o mundo mudou e passou a exigir profissional mais qualificado e exercendo mais funções.
 

O artigo abordou os seguintes assuntos:

– Trabalho, Educação, Escola, Capitalismo, Comércio, Comunismo, Politécnica, Politecnicismo e Técnologia. Ele foi divido em: 
- Fundamentos histórico-ontológicos da relação trabalho-educação.
- A emergência histórica da separação entre trabalho e educação.
- Questionamento da separação e tentativas de restabelecimento do vínculo entre trabalho e educação.
- Esboço de organização do sistema de ensino com base no princípio educativo do trabalho. 

Conclusão: A controvérsia relativa à politecnia 

Referências: Aqui o autor cita as fontes bibliográficas onde ele baseou seu trabalho, obras de: BAUDELOT, Christian; ESTABLET, Roger; François Maspero; BERGSON, Henri; GRAMSCI, Antonio; Einaudi; LEMME, Paschoal; MANACORDA, Mario Alighier; Armando Armando; Cortez/Autores Associados, 1989; MARX, Karl; ENGELS, Friedrich; Grijalbo; NOSELLA, Paolo; PISTRAK, Moisei; FERRETTI, Celso J.; ZIBAS, Dagmar M. L.; MADEIRA, Felicias R.; FRANCO, Maria Laura P. B. ; Autores Associados, 2005;

O autor discute a importância do trabalho para os homens e coloca o ponto de vista de filósofos famosos como Aristóteles que acreditava que a diferença do homem e dos outros animais seria a racionalidade, mas considerava o trabalho como não digno dos homens livres. 

Outros filósofos como Bergson acreditava que o Homem se destaca da natureza para existir e produzir sua própria vida, diferente dos animais que se adaptavam a natureza, no nosso caso nós adaptamos a natureza a nós. 

O trabalho é o ato de agir sobre a natureza transformando-a em função das necessidades humanas. 

Tivemos no início o comunismo primitivo nas comunidades primitivas, onde tudo era compartilhado e não havia divisão de classes. 

A Educação era considerada vida, hoje não mais, pois, é apenas uma preparação para a vida. A divisão de classes sociais modelo vigente até hoje surgiu com a apropriação privada da terra e o desenvolvimento da produção do trabalho. 

A verdade é que com a divisão de classes a Educação também se dividiu. 

O capitalismo nasceu com a economia de mercado e as trocas de produtos e acima de tudo com a produção para estas trocas. 

A sociedade passa a ser mais urbana que rural e mais industrial e menos agrícola. 

A Revolução industrial correspondeu a uma revolução educacional. Segundo as reflexões de Gramsci a escola unitária criada na época é semelhante à Educação Básica nos níveis Fundamentais e Médios dos nossos dias atuais, diferenciando das escolas profissionais para trabalhadores e ciências e humanidades para os futuros Dirigentes. 

São criados os primeiros currículos baseados em Linguagem, Matemática, Ciências Naturais e Sociais. 

Houve uma proposta de se travar diálogos entre universitários com a classe proletária para se discutir os problemas sociais de forma superior e sendo assim evitando a passividade intelectual dos trabalhadores e impedindo que os acadêmicos caíssem no academicismo. 

Neste caso o órgão que achavam que iria servir a isto seria as Academias, mas não funcionou como se esperava e hoje em dia se tornaram em cemitérios culturais. 

No final foi travada uma discussão por parte do autor sobre politecnia, que é a união da escola com o trabalho. Manacorda segundo o autor propôs o termo politecnicismo como estar disponível para diversos trabalhos e suas variações e a palavra tecnologia era usada para determinar a união da teoria com a prática. As escolas que usavam esta filosofia foram criadas pela burguesia fruto da revolução industrial.

O autor discute muito na parte final do artigo sobre o termo politecnia usado por Marx e Lenin, hoje é muito mais que união de escola e trabalho, é o uso da ciência usando novas técnicas visando sanar o problema dos trabalhadores modernos que não são preparados para diversas funções no trabalho.


Hoje o ensino técnico é uma educação voltada para o trabalho, mas um trabalho moderno dos novos tempos e com novas tecnologias, inclusive numa era pós-revolução industrial, hoje se necessita de menos trabalhadores, porém, eles devem ser mais qualificados. 

O artigo da forma como foi apresentado e explicado, é de grande importância para alunos do curso de Educação Física, Professores formados nesta área, Diretores de Escolas, Professores Coordenadores, enfim Gestores Públicos de Educação, Políticos e a População em geral, e nos leva a pensar nos novos rumos da Educação.

No estado de São Paulo as melhores escolas nos exames para apurar qualidade como o SARESP (Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo), são as ETECs. (Escolas Técnicas do Centro Paula Souza), a diferença de nível é enorme, por outro lado em relação as escolas tidas como meramente propedêuticas, que apenas preparam o aluno para o vestibular e o nível superior. 

Estas escolas estão ligadas a Secretaria Estadual da Educação e estão sendo gradualmente abandonadas, a maioria que contava com o ensino Infantil e Fundamental Ciclo I, já foram em boa parte municipalizada, algumas de Fundamental Ciclo II também entraram nesta onda, restam as de Ensino Médio e para poder tentar se preservar a maioria delas passou a fornecer cursos de nível Médio e estão fadadas a acabar.

Veja que agora para se tentar contornar o problema usando a filosofia do neoliberalismo, o governador do PSDB está fazendo parcerias com escolas privadas, pagando vagas para alunos que estão cursando o Ensino Médio normal, para fazerem cursos concomitantes de complementação, mas cursos técnicos, para saírem preparados teoricamente para a faculdade e já com um curso técnico para entrar mais fácil e qualificado no mercado de trabalho. 

Um detalhe as ETECs e as faculdades técnicas chamadas de FATECs – (Faculdade de Tecnologia de São Paulo) não pertence à Secretaria estadual da Educação e sim a Secretaria de Ciência e Tecnologia, ou seja, um esvaziamento da Educação, reduzindo os recursos e terceirizando o serviço. 

O artigo nos leva a pensar o quanto é preocupante hoje estas ideias que foram introduzidas no sistema e que de fato a educação esta mais pensando em trabalhar o aluno apenas para o mercado de trabalho, ainda que hoje como o autor nos disse seja necessário o trabalhador estar preparado para múltiplas funções e que o mercado de trabalho esta mais maquinizado e necessitando de menos trabalhadores e os que necessita precisam ser mais qualificados, ainda, assim o que vemos é o capitalismo determinando os rumos da educação atual e da escola.

O caso do Governo do Estado de São Paulo é grave e em breve estarão repassando tudo para a iniciativa privada e apenas valorizando o ensino profissional, quando sabemos que o “estado” deveria se preocupar em formar também alunos pensantes, com raciocínio crítico e reflexivo e isto é o que menos estão querendo fazer, ainda que tenham voltado a colocar na grade curricular das escolas de Ensino Médio as disciplinas de Filosofia e Sociologia.

Na prática o que ocorre é uma desvalorização da Educação e desestruturação da escola, pelo menos as que são tidas como tradicionais em detrimento das escolas técnicas as vedetes do momento, sem contar o repasse da responsabilidade para a terceirização no caso da rede estadual e também para os municípios, deixando de cumprir sua parte, se restringindo ao ensino profissional que para a sociedade ainda é insuficiente. 

Achei a discussão sobre o termo politecnia, um pouco exagerado em relação a Marx e Lenin e a forma como usavam estes termos e seus significado, mas entendo que o autor é um pesquisador sério e conhecido e talvez tenha usado um tanto quanto de preciosismo e academicismo, mas até serviu para que pudéssemos entender este conceito como era usado na época e agora na era da informação e como foi antes na era industrial e anterior a isto. 

Fonte: "Trabalho e educação: Fundamentos Ontológicos e Históricos", de Dermeval Saviani (Artigo publicado em Janeiro/Abril de 2007 na Revista Brasileira de Educação, Volume 12, Número 34, Páginas de 152 a 165 e 180) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação
Link do Texto Original na íntegra: www.scielo.br/pdf/rbedu/v12n34/a12v1234.pdf

Nome: Celso Rodrigo Branicio 
Acadêmico do Curso de Licenciatura em Educação Física 
UAB-UNB – Universidade de Brasília - Pólo Barretos-SP
Disciplina: Lazer, Trabalho e Sociedade 
Autores: Dr. Edson Marcelo Húngaro e Prof. Ms. Pedro Fernando Avalone Athayde
Supervisor: Prof. Ms. Pedro Fernando Avalone Athayde
Tutora: Lis Bastos Silvestre 

Turma: EDF4
4º Ano / 8º semestre
Matrícula: 0871788
26/11/2011 



Dermeval Saviani
Dermeval Saviani
Filósofo e Professor  
(Foto: Elza Fiúza/ABr)
Publicada no Wikipedia





Celso Rodrigo Branicio 
Celso Rodrigo Branicio
Acadêmico de Ed. Física da UnB





Tags: Dermeval Saviani, Saviani, Trabalho, Educação, relação trabalho-educação, fundamentos histórico-filosóficos da educação, educação politécnica, Trabalho e educação: Fundamentos Ontológicos e Históricos, Revista Brasileira de Educação, Unicamp, UnB, Faculdade de Educação, Educação Física, Scielo, Campinas, Filosofia, Tecnicismo, Política, PSDB, Ensino Profissionalizante, Técnico, Sistemas Educacionais, Branicio, Celso Rodrigo Branicio.



domingo, 2 de janeiro de 2011

O MELHOR POEMA DE CRIANÇA AFRICANA ESCOLHIDO PELA ONU

Este poema foi nomeado pela ONU como o melhor poema, escrito por uma criança Africana


Quando eu nasci, eu era negro
Quando eu cresci, continuei negro
Quando eu saio ao sol, eu continuo negro
Quando estou assustado, eu continuo negro
Quando eu estou doente, eu continuo negro
E quando eu morrer, eu ainda serei preto

E você colega branco
Quando você nasceu, você era rosa
Quando você cresceu, você se tornou branco
Quando você sai ao sol, você fica vermelho
Quando você sente frio, você fica azul
Quando você fica assustado, você fica amarelo
Quando você está doente, você fica verde
E quando você morrer, você ficará cinza



E você me chama de pessoa de cor?



Fonte: Spiderman
Tradução: Celso Rodrigo Branicio /Google Translation




segunda-feira, 1 de novembro de 2010

UM VERÃO INESQUECÍVEL A BEIRA DO RIO GRANDE

Barretos é uma cidade paulista próxima à divisa com o estado de Minas Gerais, e entre os dois estados existe o Rio Grande, um dos maiores rios de nosso país, do lado de Minas temos a pacata cidade de Planura onde passei parte de minha infância e adolescência e onde peguei o gosto pela pesca, do lado paulista do rio temos a pequena cidade de Colômbia.

      Alguns quilômetros acima da ponte Gumercindo Penteado que liga os dois estados, nós temos a usina hidrelétrica de Porto Colômbia, que não contém eclusa, elevador ou canal para peixes, o que impossibilita que os mesmos atinjam a parte superior do rio na época da Piracema, o que faz com que os peixes perambulem nesta região impossibilitados de seguir viajem rio acima, o que torna o local uma das melhores regiões de pesca do país, sem contar que esta parte do rio é na verdade um lago de outra usina hidrelétrica, a usina de Marimbondo, que fica dezenas de quilômetros abaixo na cidade de Fronteira-M.G. com Orindiúva-S.P.

      Eu tenho um amigo Valdir que possui um excelente rancho do lado mineiro em Planura, bem nesta região de pesca fértil, o rancho é lindo com todo conforto de uma casa na cidade, com coqueiros e árvores frutíferas, um lindo jardim e gramado e uma visão cinematográfica do rio logo à frente.

       Meu amigo Valdir ia lá pescar todos os meses e algum tempo atrás ele me convidou para acompanhá-lo em suas pescarias, aceitei e fomos nós quatro, ele e sua esposa Tânia, eu e minha namorada Conceição.

       A viagem até Planura onde fica o rancho foi tranqüila e segura acompanhando as belas paisagens desta região com fazendas com belas colinas, córregos e lagoas. Chegamos ainda de manhã, era verão, tomamos um banho e fomos descansar um pouco da viagem, quando Tânia, esposa de Valdir resolveu ir ler um livro, segundo Valdir ela tinha este hábito saudável desde criança, só que a procura de isolamento ele resolveu pegar o barco e rumou sozinha pelo rio até local não muito longe do rancho, quando ancorou para poder ler em tranqüilidade, passados cerca de meia hora, chegou um policial da Policia Ambiental com seu barco, chegou próximo ao barco de Tânia e perguntou a ela o que estava fazendo ali.
       Ela disse calmamente “lendo um livro senhor Policial”.

       O Policial então disse: estamos no mês de janeiro e este é o período da piracema, era, portanto, proibido pescar usando barco. 

       Ela insiste e lhe responde que não estava pescando.

       Ele então disse, mas a senhora tem todo o equipamento e terei de aprendê-lo e ainda por cima multá-la.

       Tânia então ficou muito irritada com esta situação desconfortável causada pelo policial e lhe disse: Se o senhor fizer o que esta dizendo, o processarei por estupro!

       Horrorizado com o que disse Tânia, ele responde: “mas eu nem mesmo a toquei!”.

        Ao que Tânia responde: “sim, porém o senhor tem todo o equipamento!”.

       Desconcertado com a resposta e reação de Tânia o Policial reconheceu que estava sendo autoritário e se retirou deixando ela em paz.

       Chegando ao rancho, ela nos contou todo o episódio na hora do almoço e todos nós rimos muito da forma astuta como ela se safou de um Policial impertinente, afinal ela não estava infringindo nenhuma lei.

      No período da tarde eu e o Valdir fomos pescar, obviamente apenas com vara e no barranco conforme manda a lei. 

       A pescaria estava ótima e já havíamos fisgado e capturado diversos peixes após cerca de duas horas, foi quando o Valdir que estava conseguindo várias fisgadas sentiu uma puxada bem forte na linha, ele conseguiu com habilidade fisgar e sentir o peso, porém, estranhou porque não houve briga, ele então começou a recolher a enrolar a linha, sem nenhuma ação, então ele começou a desconfiar que a linha tivesse se enroscado em algum galho, ele chegou até mesmo a pensar em apenas soltar o galho e reiniciar a pescaria.

      Conforme a linha ia sendo enrolada o enrosco ia ficando mais próximo do barranco até que boiou a cerca de dois metros, era um belíssimo Tucunaré, que após ser pescado chegou a
 incrível marca de doze quilogramas, nós não conseguimos acreditar, mesmo porque o animal não se mexia, imediatamente pensamos que ele estava morto. 

      Quando analisamos melhor o caso percebemos o que ocorreu, o tucunaré estava desmaiado, incrível, mas ele estava mesmo desmaiado.

      Chegamos à conclusão que ao morder a isca, o anzol fisgou em um dente, este dente estava cariado pelo que vimos e o anzol acabou entrando exatamente no buraco da cárie, com a dor deve ter sido enorme, o grande tucunaré acabou desmaiando, o que justifica ele ter sido fisgado e não ter lutado.

       Nem eu nem o Valdir somos veterinários e nem mesmo dentistas, mas é a única explicação plausível para o fato.

Depois de algum tempo o tucunaré recuperou os sentidos e finalmente acordou do desmaio.
       Após percebermos que ele estava bem, o Valdir acabamos soltando ele, afinal aviamos pesado vários peixes de tamanho grande, não tão grande como ele, mas o suficiente para nosso jantar. 

      Fizemos um ato de esportividade e de “fair play”, afinal o coitado do tucunaré não chegou a brigar por causa de um problema de saúde, e como todo verdadeiro esportista, temos sempre de fazer o "jogo limpo" e este peixe mereceu esta singela homenagem.

      Devido a estes dois episódios até hoje não esquecemos deste dia, num verão realmente inesquecível para todos nós, e no episódio do peixe, nós fomos às únicas testemunhas, juntamente com o caseiro do rancho.
Celso Rodrigo Branicio

Viagem ao Mundo Onirico

Todos os seres humanos sonham até mesmo os animais sonham, conforme experiências já realizadas em laboratório. O sonho funciona como uma válvula de escape dos problemas, ansiedades e desejos do dia a dia.

Havia em Barretos interior do estado de São Paulo uma moça de vinte e oito anos, Maria Lúcia que desde criança adorava sonhar e dava um valor enorme aos seus sonhos, chegava inclusive a anotá-los em um diário que ela chamava de diário dos sonhos, como qualquer garota ela também tinha um diário comum onde anotava os principais acontecimentos de sua vida, porém os sonhos ela anotava a parte, somente no tal diário dos sonhos, onde inclusive dava um título a cada sonho que tinha e fazia uma descrição minuciosa das imagens, emoções, adereços e símbolos que percebia neles.

Sempre que ia dormir ela desejava lembrar dos sonhos, pois essa é uma dificuldade que quase todos possuem e quando ia dormir sempre deixava um caderno de anotações debaixo do travesseiro para que assim que tivesse um sonho pudesse anotar rapidamente; durante o dia ela sempre levava o caderno de anotações na bolsa de modo a estar sempre perto de si. Quando Maria Lúcia a acordava nunca abria os olhos de uma vez, sempre tentava se lembrar dos sonhos e sem forçar, chegava até mesmo a fazer desenhos representando o que viu neles. Todos estes hábitos Maria Lúcia adquiriu quando ainda tinha doze anos de idade, passados dezesseis anos ela agora já é uma mulher bem mais experiente com o caráter já definido, e formada em Filosofia.

Maria Lúcia lecionava Filosofia em escolas públicas e particulares da cidade, conheceu à cerca de um ano um rapaz por nome de Joaquim a quem se apaixonou perdidamente, mas como na maioria dos casos de amor ela está atualmente passando por uma crise, flagrou seu amado, nos braços de Marilene sua melhor amiga e seu relacionamento ficou abalado deste dia em diante.
Marilene era uma velha amiga desde os tempos de criança, sempre se deram muito bem, mas o amor e o dinheiro muitas vezes conseguem estas proezas, mesmo porque nem todos os seres humanos possuem o mesmo nível de consciência e caráter e a inveja e a cobiça acabou com uma longa amizade.

Joaquim era um jovem de vinte e nove anos que conhecera Maria Lúcia ainda na faculdade e que depois de alguns anos resolveram iniciar um namoro que por parte de Maria Lúcia havia muito interesse e dedicação, o que não ocorria com ele pelo menos não na intensidade em que ela se dedicava a ele.

Maria Lúcia com este grande problema em sua vida ficou desnorteada sem saber o que fazer foi aí que ao refletir sobre seu problema veio o insight de tentar usar seu antigo hábito de análise dos sonhos para ajudá-la na solução de seu dilema "romper seu relacionamento amoroso com seu namorado ou continuar". 

Ela tinha até mesmo pensado em procurar um psicólogo para ajudá-la em seu problema que tanto a perturbava, ficou tão impressionada com a idéia que chegou até a imaginar a fisionomia de um psicólogo sem mesmo ter definido a quem procurar. 

Ela estava simplesmente desesperada e foi assim que foi dormir com todos estes problemas, mas ainda assim conseguiu adormecer fácil, não sem antes ter desejado ardentemente sonhar um sonho que lhe desse as respostas que queria, chegou a achar isso ridículo, mas no desespero tudo valia. 

Após algumas horas de sono tranqüilo quando já havia atingido as ondas teta do sono àquelas mais profundas, ela começou a sonhar, um sonho com belas paisagens. Maria Lúcia tinha um antigo hábito de durante o dia dar alguns pulinhos e pensar que poderia voar, pois segundo havia aprendido sobre sonhos, eles na maioria das vezes representam os acontecimentos do dia, e sendo assim acreditava que conseguiria voar nos sonhos, coisa que ela simplesmente adorava. 

Nessa noite enquanto sonhava aconteceu algo inusitado e inesperado, ela se viu num sonho e dando um pulinho como fazia habitualmente em vigília, mas desta vez ocorreu no sonho e subitamente ela se viu voando, este episódio já havia ocorrido outras vezes, mas desta vez foi diferente, pois assim que começou a voar percebeu que estava sonhando e que nada daquilo era real e que ela estava viajando por um mundo onírico e virtual, percebeu que todos os personagens eram interpretados por ela mesma e que o ambiente, os símbolos e paisagens eram criações de sua mente, ela estava simplesmente tendo um sonho lúcido.

Maria Lúcia estava maravilhada com tudo, inesperadamente viu um edifício enorme a sua frente, resolveu entrar e em uma sala viu um psicólogo, pois na porta da sala havia uma placa com o dizer Psicólogo Dr. Valdir Gonçalves, resolveu entrar e encontrou um homem exatamente como havia imaginado, quando pensou em procurar um psicólogo. 

Resolveu conversar com ele e lhe fez todas as perguntas que desejava fazer a um psicólogo, perguntou-lhe, por exemplo, se deveria ou não romper com seu namorado Joaquim, quanto a isto a resposta que ele lhe deu foi que deveria pensar seriamente em assassinar o Joaquim. Ao acordar, Maria Lúcia sentiu uma paz e satisfação enorme, foi como assistir a uma sessão de cinema de um filme inesquecível para nós resolveu então anotar seu sonho e passou a interpretá-lo foi aí que conseguiu várias
respostas para suas inquietudes e percebeu por experiência própria em interpretação de sonhos que como o subconsciente nos traz mensagens através de simbologia, que a resposta que teve do terapeuta onírico, nada mais era do que um conselho para que ela terminasse seu caso de amor com Joaquim. 

Percebeu também que acabara de criar uma ponte de ligação entre seu consciente e seu subconsciente e que ela poderia esclarecer todas as suas dúvidas através de si mesma, pois elas repousam no fundo do seu eu e o acesso ao seu subconsciente poderia ser feito facilmente através de sonhos lúcidos, percebeu também que poderia transformar seus sonhos em uma poderosa arma para tornar sua vida mais produtiva e feliz, pois se seu caso de amor possa ser considerado um caso até certo ponto simples de se resolver por outro lado com esta técnica aprendida ela poderia resolver problemas até mesmo mais sérios no futuro.

Maria Lúcia resolveu romper seu relacionamento com Joaquim, o que ele aceitou normalmente. Algum tempo depois de tudo isto ela verificou que realmente havia tomado a melhor opção, pois descobriu que Joaquim sempre gostara de sua ex-amiga Marilene e que o mesmo tinha conhecido sua amiga antes dela e que havia namorado ela com o intuito de provocar e conquistar de vez sua grande paixão Marilene.

Apesar da grande decepção e da dor que toda pessoa apaixonada sente numa situação desta, por outro lado Maria Lúcia saiu fortalecida com os ensinamentos que adquiriu, pois como filósofa ela sabia que os sonhos que temos acordados são muito importantes para o ser humano, pois tudo o que há em nossa volta um dia esteve na mente de alguém que o projetou, sonhou com ele até materializá-lo em realidade, pois agora ela passou a acreditar que um outro sonho o que temos quando dormimos pode ser tão importante ou até mais importante do que os que são projetados em vigília e que a união dos dois de maneira produtiva e consciente pode ajudar a levar qualquer um ao sucesso e a felicidade. 
Maria Lúcia depois deste episódio passou a ter muitas viagens interessantes e conscientes ao mundo onírico, ela passou seu exemplo para muitas amigas, parentes e conhecidos e os que a criticavam e lhe intitulavam de sonhadora, passaram a respeitá-la, após vivenciarem o que ela lhes ensinara sobre o domínio do mundo onírico. 

Celso Rodrigo Branicio

Fisgado pela Ira (Texto e Podcast)


Se não tem tempo de ler ou não gosta de textão ouça o Podcast do conto:





Há mais de 16 anos atrás, quando eu morava na fazenda e empresa agrícola Braskalb em Barretos-SP a cerca de quatro quilômetros do Rio Pardo na ponte que liga Barretos-SP a Guaira-SP, costumava ir pescar sozinho ou com meu pai e irmãos no rio pardo na margem de Barretos.

Na época da cheia o rio levava suas águas até as laterais do aterro da rodovia Assis Chateaubriand um pouco antes da ponte, depois quando as águas abaixavam, acaba ficando grandes poços com água represada e contendo peixes o que tornava o local interessante para a pesca.

Naquela época fui até lá sozinho neste local que era conhecido como "varjão", eu estava com isca de minhoca que normalmente só serve para pescar lambaris e peixes de pequeno porte, mas ao chegar ao local percebi a presença de um grande peixe Tucunaré, considerado o peixe mais esportivo do Brasil, um dos mais brigadores e como todo aquele que conhece pescaria, sabe que para fisgá-lo precisa-se de uma isca viva com um pequeno peixe normalmente lambari ou isca artificial simulando peixe vivo, porém, eu estava desprovido de ambas e munido apenas com minhas minhocas o que tornava tecnicamente impossível pescá-lo.

Eu resolvi tentar a sorte e como a água estava limpa e translúcida, dava para se ver os peixes claramente, joguei então meu anzol com minhoca em cima do Tucunaré e acertei suas costas e ele apenas deu uma olhadinha e nem sequer reagiu, então retirei o anzol da água e joguei novamente em cima das costas dele, novamente ele apenas deu uma olhadinha, porém começou a se irritar, retirei o anzol e joguei novamente, desta vez ele ficou super irritado e se agitou todo, na quarta vez em que joguei o anzol em cima dele, mesmo sabendo que se tratava de minhoca, só pela irritação e descontrole emocional em que se encontrava ele foi com tudo em cima do anzol com a minhoca e não porque estava interessado em comer a isca que não era das que ele mais gostava, porém muito mais pela irritação em que se encontrava, então ele deu uma bela mordida na isca e assim acabei fisgando-o.

Retirei o peixe da água todo contente de ter vencido a luta contra ele. Nunca fui um pescador muito esportivo, pretendia levar o peixe para casa para comê-lo, porém ao retirá-lo da água como me encontrava numa encosta íngreme no aterro da rodovia, ele acabou se deslizando e caindo de volta na água, por puro descuido meu. No final me conformei, pois acabei fazendo minha primeira pescaria esportiva mesmo sem querer.

Este pequeno episódio aparentemente simples me levou a refletir como é importante termos controle sobre nossas emoções e não deixar que outras pessoas nos controlem e nos manipulem ou nos prejudique exatamente por causa de nossos defeitos morais em especial a ”ira”, pois por causa do descontrole emocional verifiquei que mesmo entre os animais isto pode representar até mesmo a diferença entre a vida e a morte, jamais me esquecerei deste bravo Tucunaré, porém muito nervosinho, e seu nervosismo me levou à vitória contra ele, feito aparentemente impossível de se conseguir nas condições em que me encontrava.

Celso Rodrigo Branicio



FISGADO PELA IRA - Imagem Ilustrativa (Wikipedia)



GOOGLE TRANSLATION

CAUGHT BY ANGER

More than 16 years ago when I lived on the farm and Braskalb agricultural company in Barretos-SP about four kilometers from the Brown River on the bridge that connects Barretos-SP to Guaira-SP, used to go fishing alone or with my father and brothers the Brown River at the edge of Barretos.

At the time of the full river carried its waters to the side of the embankment of Assis Chateaubriand highway just before the bridge, then when let down water ends up large wells dammed water containing fish which made the interesting place for fishing.

At that time I went there alone in this place that was known as "Swamp" I was with worm bait that usually only serves to catch minnows and small fish, but to get to the site I noticed the presence of a large fish peacock bass considered the most gamefish in Brazil, one of the most brigadores and as anyone who knows fishing, knows that to hook you need is a live bait with a small fish usually lambari or artificial bait simulating live fish, but I was lacking both and armed only with my worms which made it technically impossible to catch it.

I decided to try his luck and how the water was clean and translucent, you could see the fish clearly, then threw my hook with worm on top of peacock bass and hit his back and he just gave a look and did not even react, then removed the fishhook water and threw again on his back, he again gave only a glimpse, but began to chafe, I removed the hook and threw it again, this time he was super angry and stirred all, the fourth time I played the hook on him, even though it was worm only by irritation and emotional imbalance it was in he was with everything on the hook with a worm and not because he was interested in eating the bait that was not of it more I liked, but much more the irritation it was in, so he gave a nice bite on the bait and so I ended up hooking it.

I removed the fish from the water all glad to have won the fight against him. I was never a very sport fisherman, intended to take the fish home to eat it, but to remove it from the water as I found myself on a steep slope on the embankment of the highway, he ended up slipping and falling back into the water, by pure carelessness my. At the end I settled for me, because I ended up doing my first sport fishing even unintentionally.

This small seemingly simple episode led me to reflect how it is important to have control over our emotions and not let other people in the control and manipulate or harm us just because of our moral defects in particular the "anger" because because of lack emotional I found that even among the animals that can represent even the difference between life and death, never me forget this brave peacock bass but very jumpy, and his nervousness led me to win against him, seemingly impossible feat to achieve the conditions I found myself.


Celso Rodrigo Branicio



  

POSTAGEM DE DESTAQUE

UnBHoje - 6 a 12 de novembro de 2020 (Universidade de Brasília)

  06 A 12 DE NOVEMBRO 2020 ANO 35 Nº 6212 ...