Bem-vindo ao Blog Celso Branicio -

Pesquisar dentro deste blog

Ministro do Trabalho responde - A Diginidade do Trabalhador - Veja meu caso Celso Branicio no SAAE exonerado injustamente usaram de assédio moral e exclusão social

Ministro responde - A Diginidade do Trabalhador - Veja meu caso Celso Branicio no SAAE exonerado injustamente usaram de assédio moral e exclusão social


Tribunal Superior do Trabalho - TST
Página curtida · 4 h ·


#TVTST Você já sentiu que teve sua dignidade ferida no ambiente de trabalho? Quais condutas podem afetar a moral do trabalhador? Quais são as punições cabíveis? Se você tem uma dúvida sobre o tema, envie sua pergunta nos comentários. As melhores perguntas serão respondidas por um ministro do TST. Participe!


Fonte: TST (Página no Facebook)





VEJA ABAIXO MEU RELATO PESSOAL ENVIADO AO MINISTRO:


EU SOFRI PERSEGUIÇÃO POLÍTICA, ME IMPEDIRAM DE APRENDER A PARTE TÉCNICA DE ENCANADOR, FORAM HUMILHAÇÕES DIÁRIAS, EXCLUSÕES E ATÉ BOATOS DE HOMOFOBIA, TUDO PARA ME HUMILHAR NO SAAE DE BARRETOS-SP E ME EXONERAREM, O CASO ESTÁ NA JUSTIÇA COMUM AGUARDANDO SENTENÇA.

Eu trabalhei de abril de 2014 até a setembro de 2015 no SAAE - Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Barretos-SP no cargo de Auxiliar de Serviços Operacionais (Auxiliar de Encanador) trabalhando em equipes de água e esgoto. Eu passei em concurso público em sétimo lugar e estava no estágio probatório de 3 anos, só que por ter perfil de sindicalista e reclamar de várias irregularidades na autarquia municipal do SAAE eles me reprovaram injustamente em três das seis avaliações do estágio probatório e me exoneraram. 

Eu era impedido de aprender as funções de encanador, meu chefe era um servidor veterano em final de carreira e que estava quase se aposentando e para não prejudicar a sua aposentadoria ele aceitou me perseguir e fazer assédio moral todos os dias e assim deixava todos aprenderem a função menos eu e assim me senti perseguido, humilhado e excluído, pessoas que entraram depois de mim ele ensinava e a mim não, só para humilhar. As perseguições políticas se devem ao fato de ter reclamado das marmitas que vinham com carne com bigato, aqueles vermes e nas saladas com caramujo e lagartas verdes, tudo porque as licitações estavam sobre suspeita de irregularidades, eu e vários servidores reclamamos e fiz requerimento reclamando daí me deram uma advertência só para descontar pontos da minha avaliação, reclamei do fato de que quem faz horas extras no final de semana tem de trabalhar 5 dias, mais 2 dias do final de semana e mais 5 dias da outra semana, ou seja, 12 dias direto sem nenhuma folga semanal. 

Ficou comprovado também em holerites reivindicados por vereadores de que havia servidores que injustamente faziam 130 horas extras por mês, enquanto quem não fazia parte da máfia de protegidos raramente conseguia fazer uma hora extra por mês. As promoções só podem ser feitas depois de 5 anos e com um ano já tínhamos pessoas trabalhando como chefes de equipe, encanadores, outros nas motos ganhando mais 35% em relação aos demais, alguns com esta estratégia chegaram a ganhar o dobro dos demais colegas e tudo apenas para quem tinha costinhas quentes e nada disto era oferecido a mim e alguns outros colegas que eles não gostavam, tudo pessoal, mesmo eu tendo sido um dos primeiros colocados no concurso e com duas faculdades e uma pós graduação, pura injustiça e exclusão social, chegaram a plantar boatos de que eu era gay e aí isto chegou a atrapalhar o trabalho, tinha servidor que tinha medo de trabalhar comigo como se eu fosse um gay tarado, tudo visando humilhar e me excluir. 

O caso está na justiça comum e estou aguardando uma sentença que deve sair dentro de um mês, ainda não foi requisitado pelo juiz a oitiva de testemunha e por causa disto estão pressionando e na prática coagindo minhas testemunhas, para que desistam de testemunhar a meu favor e para não repassarem informações atuais do serviço que continua com várias irregularidades trabalhistas e com um Plano de Carreira com várias regras inconstitucionais, como salário base 40% menor em relação a última turma de Auxiliares que entram antes de nós. 

Estão hackeando meu computador implantaram programas no meu computador no HD e também no roteador, já formatei várias vezes e agora estou tentando achar um técnico neutro e acredito que só em outra cidade para poder fazer uma perícia no meu computador e verificar o IP e MAC dos invasores, estão sempre tentando saber quais são meus passos para se anteciparem e anularem minha defesa. 

Eu fui demitido por causa principalmente de atrasos, só que repus e provei isto com os relatórios do livro de ponto eletrônico e não aceitaram com clara intenção de me reprovar na avaliação.


Existe na prática um banco de horas informal que todos os protegidos fazem e podem faltar e chegar atrasado quando querem é só descontar do saldo credor de horas extras, quando eu já estava reprovado 3 vezes e só aguardando publicação no Diário Oficial sobre a exoneração eu descobri no RH este esquema de compensação quando um servidor novato da minha turma estava negociando a entrada nesta máfia e proteção deles que alegaram na minha frente para ele que de fato poderia ser feito 20 horas extras no final de semana e descontar o dia destas horas extras proporcionalmente e assim foi feito para ele e eu pedi e permitiram para mim também, pois, já tinham conseguido o objetivo de me exonerara era questão de dias apenas, isto ficou claro no meu relatório do livro de ponto, requisitamos os relatórios dos servidores tidos como protegidos e aí até hoje nada. 

Descontaram até falta por ter sido ouvido em processo no Fórum, mesmo com atestado do Juiz de ter ido lá depor em processo e com o objeto e pé mesmo assim descontaram até um dia de nojo quando minha esposa faleceu, ela morreu as 18hs00 do dia 01/09/2014 e eu trabalhei o dia todo e fiz 2 horas extras na hora do almoço, não fui em casa almoçar e ela estava com problemas de saúde, havia vomitado de noite e não foi trabalhar e segundo o SAMU a hora da morte dela deve ter sido na hora do almoço e se eu tivesse ido almoçar em casa sem horas extras talvez ela ainda estivesse viva, só que consideraram este dia como sendo de nojo e seria 8 dias contando com este, sendo que trabalhei as 8hs e ainda fiz 2 horas extras (10 ao todo), fizeram este desconto só para me prejudicar e descontar pontos suficientes para me exonerarem e assim conseguiram me exonerar, tudo porque tem um engenheiro que comanda tudo e ele e seus amiguinhos na cúpula do poder se sentiram incomodados comigo, certamente deve haver muito mais irregularidades do que imaginamos, devido a esta reação, pois, só estava lá para trabalhar e me humilharam durante cerca de um ano e meio até me exonerarem.


Barretos, 13 de fevereiro de 2017


Celso Rodrigo Branicio
Ex Servidor do SAAE Barretos (abril/2014 a agosto/2015)
Cargo: Auxiliar de Serviços Operacionais




Tags: TST, SAAE, Política, Trabalho, Celso Branicio, Branicio, Politicagem, Exclusão, Isolamento, Assédio Moral, Sindicato, Sindicalismo, Prefeitura de Barretos, Guilherme de Ávila, Leone Wilman, Administração Pública, Marmitex, Homofobia, Justiça Trabalhista, Justiça Comum, Ministério Público, Defensoria Pública, Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Barretos, Barretos-SP, Judiciário, SAMU, Horas Extras, Leis Trabalhistas, Exclusão Social, Desvio de Função, Pessoabilidade, Costas Quentes, Abuso de Poder, Estatuto dos Sevidores do SAAE Barretos, Auxiliar de Serviços Operacionais,  Tribunal Superior do Trabalho.












Nenhum comentário:

Postar um comentário

POSTAGEM DE DESTAQUE

UnBHoje - 6 a 12 de novembro de 2020 (Universidade de Brasília)

  06 A 12 DE NOVEMBRO 2020 ANO 35 Nº 6212 ...