Bem-vindo ao Blog Celso Branicio -

Pesquisar dentro deste blog

segunda-feira, 11 de maio de 2020

MARCHA NUPCIAL - Mendelssohn: A Midsummer Night's Dream, Incidental Music, Op.61, MWV M 13 - No.9 Wedding March (Boston Symphony Orchestra)




Provided to YouTube by Universal Music Group

Mendelssohn: A Midsummer Night's Dream, Incidental Music, Op.61, MWV M 13 - No.9 Wedding March · Boston Symphony Orchestra · Seiji Ozawa

Mendelssohn: A Midsummer Night's Dream
℗ 1994 Deutsche Grammophon GmbH, Berlin

Released on: 1994-01-01
Producer: Alison Ames
Producer: Pal Christian Moe 
Producer: Christian Gansch 
Studio Personnel, Balance Engineer: Hans-Peter Schweigmann 
Composer: Felix Mendelssohn 
Author: William Shakespeare 

Auto-generated by YouTube.




Mendelssohn A Midsummer night's dream op.61 - d'Avalos (Completa com 53min38seg)



J.Howart soprano, J.Rigby mezzosoprano, Bach Choir, Philharmonia Orchestra Francesco d'Avalos

Categoria Música

Música neste vídeo
Música Sen noci svatojánské op. 61, op. 21
Artista Hector Berlioz
Álbum Hudba podle Shakespeara II
Licenciado para o YouTube por Rebeat Digital GmbH (em nome de Český rozhlas)
Artista Lillian Watson/Delia Wallis/Finchley Children's Music Group/London Symphony Orchestra/André Previn
Álbum Romantic Ballets
Licenciado para o YouTube por WMG (em nome de EMI Classics); Public Domain Compositions e 1 associações de direitos musicais

Artista Lillian Watson/Delia Wallis/Finchley Children's Music Group/London Symphony Orchestra/André Previn
Álbum Romantic Ballets
Licenciado para o YouTube por WMG (em nome de EMI Classics) e 1 associações de direitos musicais

Música IV. Andante
Artista Helmuth Rilling
Álbum Mendelssohn: Midsummer Night's Dream (A), Op. 21 and Op. 61
Licenciado para o YouTube por NaxosofAmerica (em nome de haenssler CLASSIC)
Artista Orchestre Symphonique de Montréal, Charles Dutoit
Licenciado para o YouTube por UMG (em nome de Decca Music Group Ltd.); Public Domain Compositions e 2 associações de direitos musicais

Música A Midsummer Night's Dream, Op.61: Bergomask (Dance of the Rustics: Act V)
Artista Lillian Watson/Delia Wallis/Finchley Children's Music Group/London Symphony Orchestra/André Previn
Álbum Mendelssohn: A Midsummer Night's Dream
Licenciado para o YouTube por WMG (em nome de EMI) e 1 associações de direitos musicais




Chopin Piano Concerto No. 1 Op.11 Evgeny Kissin




The Israel Philharmonic Orchestra Conductor: Zubin Mehta This performance is from the Israel Philarmonic Orchestra 75th anniversary gala concert which took place in Tel Aviv, 24 December 2011.


Categoria Pessoas e blogs

Sugerido por nikitaventures music


Beethoven, Sinfonía Nº 3 "Heroica". Wiener Philharmoniker, Christian Thielemann




Ludwig van Beethoven,
Sinfonía Nº 3 en Mi bemol mayor, Opus 55, "Heroica" 
[Symphony No. 3 in E flat major "Eroica"
"Sinfonia eroica, composta per festeggiare il sovvenire d'un grand'uomo"/
"Sinfonía heroica, compuesta para festejar el recuerdo de un gran hombre"]

1. Allegro con brio
2. Marcia funebre: Adagio assai 
3. Scherzo (Allegro)
4. Finale: Allegro molto - Poco andante - Presto 
Interpretación desde la Musikverein de Viena.
Wiener Philharmoniker,
Christian Thielemann, director.

- El verdadero héroe de la Heroica no fue Napoleón.
La ambivalencia de Beethoven con respecto al líder francés se transformó en una declaración subjetiva sobre el heroísmo del nacimiento, la muerte y el renacimiento. Lo que realmente está enterrando Beethoven (con su Marcha Fúnebre) no es a Bonaparte ni siquiera a sus propias actitudes conflictivas hacia Napoleón, sino al estilo clásico de la música. Lo que nace es una música abiertamente emotiva de una fuerza y una inmediatez sin precedentes. El verdadero héroe de la Heroica es la música misma.

En la historia del arte, son raras las veces en que los estímulos externos e internos interactúan dentro de la psiquis de un creador para producir una originalidad tan sorprendente. (En el siglo XX, son análogas a la Heroica -composiciones poderosas que cambiaron completamente la faz de la música- la Erwartung de Schoenberg y La Consagración de la Primavera de Stravinsky.) No es sorprendente que la fortaleza y la originalidad de la Heroica (y de sus homólogos de un siglo más tarde) provinieran de una fuente externa, puesto que los estilos musicales existentes (los de Mozart, Haydn, y el Beethoven de los primeros tiempos) estaban destinados, por así decirlo, a una expresión menos extrema.

El vocabulario musical del momento no alcanzaba para equiparar la vigorosa persona de Bonaparte. Para interpretar semejante poderío en la música se requerían nuevos medios y de allí que la originalidad de la sinfonía fuera una consecuencia inevitable del significado que se le quería dar.

Oímos la Heroica y oímos un gesto sorprendentemente original tras otro.
El primero es el sonido inicial: un tremendo acorde tocado y reiterado, seguido por una melodía que simplemente presenta las notas de este acorde una por una. Más adelante, en el primer movimiento, oímos ritmos intensos, silencios fuertemente acentuados (!), una derivación casi del otro mundo del tema inicial en la clave lejana de Mi menor, una expresión misteriosa del corno del tema tónico contra la armonía dominante en las cuerdas (justo antes de la recapitulación), interacciones rítmicas emocionantes de dos y tres, y dos acordes tónicos finales que reproducen la apertura en espejo.

La Marcha Fúnebre es igualmente original, desde su naturaleza misma, pasando por su punzante fuga, hasta llegar a su climax estremecedor.

El tercer movimiento aporta una enorme vitalidad que proviene de ritmos maravillosamente ingeniosos: la ambigüedad métrica inicial y su extraordinaria resolución, el movimiento inesperado en ritmos de dos tiempos durante la reexposición después del trío y el juego entrelazado de dos y tres (aun más imbricado que en el primer movimiento).

La originalidad del final afirmativo reside en esta forma. Comienza como una serie de variaciones sobre un tema simple, que pasa a ser la línea de bajos de un tema más melódico y finalmente desaparece.

Esta lista de gestos sin precedentes en la sinfonía podría ser interminable, pero no es la novedad de los materiales lo que debemos escuchar, lo que importa es la originalidad del concepto. Beethoven tuvo una idea singular para su tercera Sinfonía, y en el proceso de encontrar la música adecuada para esa idea creó una obra expansiva, integrada y poderosa.

Después del nacimiento de la Heroica, ningún compositor posterior pudo ignorarla. El desarrollo de la música sinfónica del siglo XIX se puede rastrear hasta la Heroica más que a cualquier otra obra, y le llevó a los compositores más de un siglo agotar su trascendencia.

FUENTE: [http://www.hagaselamusica.com/clasica...]

---

Categoria Música





Beethoven | Piano Sonata No. 12 in A-flat major | Daniel Barenboim





Español: Sonata para Piano nº12 en La bemol Mayor, Op. 26
1st Movement (Andante con Variazioni)
2nd Movement (Scherzo, Allegro Molto)
3rd Movement (Marcia funebre sulla morte d'un Eroe)
4th Movement (Allegro)
Work: Piano Sonata No. 12 in A-flat major, Op. 26
Composer: Ludwig van Beethoven
Soloist: Daniel Barenhoim


Categoria Música
Música neste vídeo
Licenciado para o YouTube por UMG (em nome de Decca Music Group Ltd.)
Música 2. Scherzo. Allegro molto
Artista Daniel Barenboim
Licenciado para o YouTube por UMG (em nome de Decca Music Group Ltd.)
Licenciado para o YouTube por UMG (em nome de Decca Music Group Ltd.)

Música 4. Allegro
Artista Daniel Barenboim
Licenciado para o YouTube por UMG (em nome de Decca Music Group Ltd.); EMI Music Publishing, Sony ATV Publishing, Public Domain Compositions
Licenciado para o YouTube por UMG (em nome de Decca Music Group Ltd.)


História & Música no Piauí: O Dobrado - A Nossa Marcha Cívica (MAESTRO ROCHA SOUSA)


Dentro da variedade dos estilos e formas de composições que compõem o repertorio das bandas de música brasileiras, o dobrado - marcha cívica tradicional que tem sua origem ligada à música militar é o que mais identifica as corporações musicais do nosso país. Esta afirmação encontra base nas pesquisas que o musicólogo Curt Lange fez sobre as nossas bandas bem como também em estudos feito por outros pesquisadores que se aventuram neste campo.
Marchar: Passo cadenciado de um indivíduo, ou de um corpo de tropas.

Marcha: Peça musical que se destina a marcar ou evocar o ritmo cadenciado do passo de uma pessoa, ou de um grupo de pessoas em marcha.

Marcha Militar: é uma composição instrumental destinada a marcar o passo de uma tropa em desfile nas solenidades militares ou em um deslocamento qualquer de uma tropa. A marcha militar se baseia num ritmo com marcação repetida e regular acompanhado de tambores e bombos marcados nos tempos fracos de cada compasso com intensidade e vibração e sendo abafando nos tempos fortes; enquanto isso a caixa de guerra mantém o preenchimento do acompanhamento rítmico dos compassos que ainda tem a marcação dos pratos em todos os tempos.

Embora existam marchas para piano, acordeon ou violão, o estilo se desenvolveu, ampliou-se e se diversificou no seio das bandas de músicas militares e posteriormente nas bandas civis. Acreditamos que isto se deu em função da necessidade e adaptação do potencial acústico dos vários tipos de instrumentos de sopro e percussão que compõem as bandas ao caráter e finalidade das marchas para o desfile das tropas. Esta fusão da música marcial com as bandas de música no mundo tornou-se um só corpo indissolúvel e ao fundir-se com as culturas locais chegou a derivar-se em outros estilos variantes como no caso do Brasil: das nossas marchas de procissão, da marchinha de carnaval, do frevo e suas variações, entre outros.

As marchas militares mais antigas que se tem registro são as de Jean Baptista Lully para as bandas de Luis XIV. A partir da Revolução Francesa, Cherubini, Hummel, Beethoven e outros compositores escreveram marchas para regimentos e exércitos. Atualmente, a maior parte das marchas foram escritas entre 1880 e 1914.

A marcha militar foi introduzida na música de concerto através das óperas e balé de Lully; sendo seguido por outros compositores. São freqüentes as marchas nas óperas de Haendel, Mozart, Verdi e Wagner. Dentro das marchas escritas para teclado, destacamos as escritas por Schubert, Schumann e Chopin.

Além da finalidade militar as marchas podem apresentar características muito diferentes, segundo a finalidade para qual foi composta.

· Marcha Fúnebre, com andar lento - Destacamos a marcha da Sonata para piano nº12.op.26 e da 3ª Sinfonia, ambas de Beethoven; também destacamos a célebre marcha de da 1ª Sonata para piano de Chopin.

· Marcha Nupcial, com andar solene - Destacamos a Marcha Nupcial de "Sonho de uma noite de Verão" de Mendelssohn.

· Marcha Militar, com andar brilhante para desfile. “A marcha militar de passo-dobrado originou três grandes tradições de composição: o pás-redoublé francês, o pasodoble espanhol e a marcha militar de passo dobrado em Portugal, que em terras brasileira se tornaria o dobrado. O dobrado brasileiro recebeu ainda influencias da marcha militar alemã, além de incorporar elementos da nossa música popular” (Fred Dantas).

· Marcha Religiosa para acompanhamento de procissão.

· Marcha Triunfal para execução em concerto com muito brilhantismo - Como exemplo mais conhecido destacamos a marcha triunfal da ópera "Aida" de Verdi.

· Marcha de Carnaval gênero da música popular feito exclusivamente para as festividades carnavalescas. Teve seu auge dos anos 20 aos anos 60 do século passado, altura em que começou a ser substituída pelo samba enredo. A marcha "Ó abre alas", da maestrina Chiquinha Gonzaga, composta em 1899 e inspirada na cadência rítmica dos ranchos e cordões foi a primeira marcha de carnaval brasileira.

Marcha de Passo Dobrado ou “Dobrado”

Os dobrados são marchas militares especificas feitas com a finalidade de acompanhar deslocamentos de tropas em desfile. Os títulos destas marchas geralmente são para homenagear pessoas, datas ou lugares.

O "dobrado", como estilo de composição com as características que tem hoje, evoluiu da marcha militar tradicional, a fim de atender um maior percurso de deslocamento das tropas sem que tivesse que reiniciar a mesma marcha em um pequeno espaço percorrido. Procurando atender esta necessidade a forma da marcha militar foi alterada com uma dobra no numero de compassos de 16 para 32 compassos dentro de cada parte que compõem a forma tradicional deste tipo de composição.

Estrutura e Forma Musical do Dobrado

A marcha militar se estrutura em compasso binário ou quaternário, ainda que é mais comum em compasso binário, com forma de minueto e que pode existir isoladamente ou fazer parte de uma Sonata, Sinfonia, Ópera ou outras formas. A marcha militar tem os tempos fortes acentuados, e com um mesmo andamento marcial, se destina, tanto ao desfile cívico-militar como ao concerto em recintos fechados ou em espaços públicos com acústica aberta.

Apesar de um conjunto de características comuns que diferenciam a marcha cívica brasileira das marchas de outras nacionalidades não podemos afirmar que existe uma definição absoluta quanto a sua forma. Podemos afirmar que levando se em conta a maioria das características comuns geralmente inicia-se com uma introdução forte e curta onde pode-se perceber em sua constituição a marcialidade, a cadência firme e o brilhantismo melódico, partindo para uma primeira parte, com repetição, onde é exposta a melodia principal em dialogo com os contracantos. A parte seguinte é o forte, onde solam os graves e onde é encontrada a massa sonora do dobrado. Volta-se à primeira parte e, após breve ponte, chega-se ao trio. O Trio é a parte do dobrado onde o compositor envolve os aspectos harmônicos, rítmicos e melodiosos para expressar traços que caracterizam a personalidade do homenageado e dar um caráter mais humanístico à música.

Um dos fatores que contribui para a não existência de uma forma musical definida do nosso dobrado, acredito que tenha sido o isolamento que durante muito tempo, até a primeira metade do séc. XIX, as bandas das cidades interioranas foram submetidas devido às dificuldades de comunicação e locomoção da época. O contato existente entre os grupos era possibilitado pelos músicos que viajavam para as cidades que tinham bandas trocando informações e partituras. Tais intercâmbios possibilitaram a aproximação de uma forma musical comum, mas não sua unificação.

As partituras que chegavam com os músicos andarilhos durante muito tempo foram o único meio de integração entre as bandas e a única fonte de referencia para estudo e analise entre os compositores das diversas bandas interioranas.

Da forma musical do dobrado de desfile surgiu o dobrado sinfônico que é uma variação do gênero utilizado apenas para concerto.

O Maestro e Musicologo Fred Dantas afirma em artigo que:

“No Brasil o dobrado, se tornou em certos momentos música de concerto, desapegada da finalidade de utilização para deslocamento militar” chegando a popularizar-se graças a predileção dos mestres de bandas por este tipo de música no repertório de seus grupos para as apresentações nas tradicionais retretas e desfiles que as bandas de música sempre realizavam e ainda hoje realizam nas milhares de cidades brasileiras não deixando de fora do repertório os dobrados compostos por compositores locais."

Alguns dos Principais Dobrados Brasileiros

A quantidade de compositores nas bandas de música no brasil é imensa, e em cada banda existente no território nacional sempre encontramos compositores com obras deste gênero musical.
Dobrado Batista de Melo - Manoel Alves
Dobrado Cisne Branco - Antonino Manoel do Espirito Santo
Dobrado Quatro Dias de Viagem - Antonino Manoel do Espirito Santo
Dobrado Barão do Rio Branco - Francisco Braga
Dobrado Janjão - Joaquim Naegeles
Dobrado Verde e Branco - Estevam Moura

Alguns Dobrados Compostos em Terras Piauienses

Uma boa quantidade de compositores no Estado do Piauí também tem escrito suas obras nesse gênero.
Dobrado Benedito Manoel da Luz - Sebastião Simplicio
Dobrado Cmt Dário Coêlho - Sebastião Simplicio
Dobrado 21 de Abril - Simplicio Cunha
Dobrado 13 de Março - Simplicio Cunha
Dobrado Guerreiro Alado - Rocha Sousa
Dobrado Gratidão do Mestre - Rocha Sousa
Dobrado Cmt Edvaldo - Rocha Sousa
Dobrado Torres de Melo - Manoel Fabiano
Dobrado Tenente Elizeu - Francisco Angelo da Silva
Dobrado Tenente Paz - Francisco Angelo da Silva

Estaremos atualizando a lista!!!

Postado por Rocha Sousa às 22:27



Observação, veja os comentários e respostas sobre esta matéria.



O Dobrado Batista de Melo não seria do compositor Matias de Almeida? porque em algumas partituras de algumas bandas tenho observado essa contradição em relação ao autor deste dobrado. muito boa a pequisa, parabéns meu querido,um abraço, Auciran Roque.


Isso. O dobrado Batista de Melo foi composto por Matias de Almeida a pedido do senador da República Joaquim Batista de Melo, para homenagear a posse do Marechal Hermes da Fonseca, eleito Presidente do Brasil em 1910.




Anônimo



Batista de Mello, é de autoria do músico Manuel Leite Alves, nascido possivelmente na cidade de Elói Mendes-MG. O Dobrado foi composto entre os anos de 1890 e 1896,- ainda no alvorecer da Republica-, em homenagem ao fazendeiro da região, conhecido por Batista de Mello. Acontece que Matias de Almeida tinha excelente caligrafia, e assinava as cópias feita por ele. Por um descuido, esqueceu de anotar ''Batista de mello'' lá no canto superior da partitura. E aí veio a confusão.






Embora particularmente acredite que o dobrado Batista de Melo seja de autoria do Manuel Alves Leite baseado nas partituras mais antigas que tive acesso referi-se a esse autor. mas, no entanto, não posso deixar de registrar que existe uma referencia sobre a autoria ser de Mathias de Almeida em uma pesquisa que tive acesso sendo que esse compositor o compôs a partir de um pedido do Senador da República Joaquim Batista de Melo para celebrar a posse do Marechal Hermes da Fonseca, eleito Presidente do Brasil em 1910.



Senador, não; mas deputado federal por Minas Gerais, sim:MELO, Joaquim Batista de *dep. fed. MG 1912-1914.
Joaquim Batista de Melo nasceu em Varginha (MG). Era filho adotivo de Joaquim Elói Mendes, o barão de Varginha, e de Mariana Bárbara da Conceição. Herdou
do pai, além da situação econômica, o prestígio político que o fez se destacar na região.
Ingressou na política ao ser eleito chefe do Executivo do município de Varginha para o período de 1895 a 1897. Foi o responsável pela criação do estatuto da Câmara dosVereadores. Além disso, buscou difundir o gosto pela leitura no município, reformando e ampliando a biblioteca pública e incentivando concursos literários. Encerrada sua gestão, afastou-se da vida pública para administrar os negócios da família. Retornou à política em 1912 ao ser eleito deputado federal. Assumiu sua cadeira na Câmara dos Deputados, no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, em 3 de maio do mesmo ano e exerceu o mandato até 31 de dezembro de 1914, quando se encerrou a legislatura.
Fundou o jornal Aurora da cidade de Elói Mendes (MG), onde faleceu.

Ioneide Piffano Brion de Souza



Independentemente da verdadeira autoria de Batista de Melo a pesquisa está excelente e muito bem exposta. Lamento o tempo em que nossos copistas de outrora (uma parte significativa deles) não tinham o costume de anotar o nome do autor da obra, nem o autor da letra (quando essa existia). Questão da nossa cultura tupiniquim. Mas nada que não possa ser revertido ainda.



Ainda sobre a autoria do dobrado Batista de melo!....Não há dúvidas, que foi composto por Manuel Alves ( Leite? )....Pela minha pesquisa; cheguei a esta conclusão: Nunca existiu senador da república, com o nome de Joaquim Batista de Melo!....O autor desse dobrado, sempre foi o músico Manuel Alves, desde a sua aparição ocorrida entre os anos de 1890 e 1899....Isto é fato!....Existia até bem pouco tempo, nos arquivos da banda da "Força Pública de São Paulo", e da banda do "Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro"; partituras manuscritas desse tempo, e constando o nome do compositor, Manuel Alves ( Leite? )....Eu mesmo, fiz uma pesquisa na editora "Musical Santoni" - São Paulo ( responsável pela edição das partituras ), e lá ouvi esta mesma afirmativa -- até me disseram, que o senhor Matias de Almeida, era apenas um excelente copista, que as vezes esquecia de assinalar, o nome dos autores!....Aliás, o dobrado "Mato Grosso", não é de sua autoria; e sim, do músico L. V. Almeida ( segundo a "Musical Santoni")....Há também, no encarte do selo "Revivendo"- 1991; citação da jornalista Ruth Rocha; em que afirma: o compositor Manuel Alves, homenageia através deste dobrado; o cidadão Batista de Melo -- uma personalidade importante, do interior de Minas Gerais!....( Texto e pesquisa: Prof. e músico Walmir Dantas -- São Paulo ).



Meu caro, Rocha Souza!....Parabéns pelo trabalho de divulgação da musicalidade piauiense; mostrando que no estado do Piauí, existe sim; músicos, compositores e maestros que colaboram com a cultura da música instrumental, através das "bandas de música"....( Walmir Dantas -- São Paulo ).



Meu caro, Rocha Souza!....Parabéns pelo trabalho de divulgação da musicalidade piauiense; mostrando que no estado do Piauí, existe sim; músicos, compositores e maestros que colaboram com a cultura da música instrumental, através das "bandas de música"....( Walmir Dantas -- São Paulo ).



Ainda sobre a autoria do dobrado Batista de melo!....Não há dúvidas, que foi composto por Manuel Alves ( Leite? ) .... Pela minha pesquisa; cheguei a esta conclusão: Nunca existiu senador da república, com o nome de Joaquim Batista de Melo! .... O autor desse dobrado, sempre foi o músico Manuel Alves, desde a sua aparição ocorrida entre os anos de 1890 e 1899 .... Isto é fato! .... Existia até bem pouco tempo, nos arquivos da banda da "Força Pública de São Paulo", e da banda do "Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro"; partituras manuscritas desse tempo, e constando o nome do compositor, Manuel Alves ( Leite? ) .... Eu mesmo, fiz uma pesquisa na editora "Musical Santoni" - São Paulo ( responsável pela edição das partituras ), e lá ouvi esta mesma afirmativa -- até me disseram, que o senhor Matias de Almeida, era apenas um excelente copista, que as vezes esquecia de assinalar, o nome dos autores! .... Aliás, o dobrado "Mato Grosso", não é de sua autoria; e sim, do músico L. V. Almeida ( segundo a "Musical Santoni") .... Há também, no encarte do selo "Revivendo"- 1991; citação da jornalista Ruth Rocha; em que afirma: o compositor Manuel Alves, homenageia através deste dobrado; o cidadão Batista de Melo -- uma personalidade importante, do interior de Minas Gerais! .... ( Texto e pesquisa: Prof. e músico Walmir Dantas -- São Paulo ).



Muito esclarecedor, Sr. Vavá, o vosso comentário e com certeza colabora para elucidar dúvidas sobre a autoria do Dobrado Batista de Melo.



Leia meu comentário. Tenho documentos q vão esclarecer dúvidas de vcs.



como eu escrevi ontem. O Senador Joaquim Batista de Melo filho adotivo do Barão Joaquim Eloy Mendes. Era senador estadual, deputado federal, comendador da Ordem da Rosa, Coronel da Guarda Nacional. Nasceu e faleceu aqui em Elói Mendes, MG, conheci muitas pessoas que o conheceram e contam como ele contava a historia deste dobrado que leva seu nome. Se interessarem em saber detalhes sobre ele entrem em contato comigo no meu face.. que escrevi um livro sobre a cidade e lá tem páginas sobre o senador Batista de Melo. Face = comendador Francisco Carlos. Abç.



MELO, Joaquim Batista de
*dep. fed. MG 1912-1914.
Joaquim Batista de Melo nasceu em Varginha (MG). Era filho adotivo de Joaquim Elói Mendes, o barão de Varginha, e de Mariana Bárbara da Conceição. Herdou do pai, além da situação econômica, o prestígio político que o fez se destacar na região.
Ingressou na política ao ser eleito chefe do Executivo do município de Varginha para o período de 1895 a 1897. Foi o responsável pela criação do estatuto da Câmara dos Vereadores. Além disso, buscou difundir o gosto pela leitura no município, reformando e ampliando a biblioteca pública e incentivando concursos literários. Encerrada sua gestão, afastou-se da vida pública para administrar os negócios da família. Retornou à política em 1912 ao ser eleito deputado federal. Assumiu sua cadeira na Câmara dos Deputados, no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, em 3 de maio do mesmo ano e exerceu o mandato até 31 de dezembro de 1914, quando se encerrou a legislatura.
Fundou o jornal Aurora da cidade de Elói Mendes (MG), onde faleceu.

Ioneide Piffano Brion de Souza




é como um vasculhar tesouros encontrar e examinar está publicação e os comentários complementares que se seguem.
obrigado, senhores.

Tango - Mike Mike



Mas o senador Batista de Melo era daqui de Eloi Mendes...escrevi a biografia dele...está sepultado aqui e tem descendentes dele aqui. ..a história do dobrado é real.



Como pesquisador e advogado que colaborou com dezenas de biografias para o CPDOC da Fundação Getúlio Vargas no Rio de Janeiro, transcrevo a biografia que foi publicada no trabalho da FGV: Joaquim Batista de Melo nasceu em Varginha (MG). Era filho adotivo de Joaquim Elói Mendes, o barão de Varginha, e de Mariana Bárbara da Conceição. Herdou do pai, além da situação econômica, o prestígio político que o fez se destacar na região. Ingressou na política ao ser eleito chefe do Executivo do município de Varginha para o período de 1895 a 1897. Foi o responsável pela criação do estatuto da Câmara dos Vereadores. Além disso, buscou difundir o gosto pela leitura no município, reformando e ampliando a biblioteca pública e incentivando concursos literários. Encerrada sua gestão, afastou-se da vida pública para administrar os negócios da família. Retornou à política em 1912 ao ser eleito deputado federal. Assumiu sua cadeira na Câmara dos Deputados, no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, em 3 de maio do mesmo ano e exerceu o mandato até 31 de dezembro de 1914, quando se encerrou a legislatura. Fundou o jornal Aurora da cidade de Elói Mendes (MG), onde faleceu.


José Carlos de Juiz de Fora-MG
6 de maio de 2018 14:50

Boa noite !!!

Desejo parabenizar Rocha Sousa pela pesquisa e pelo texto publicado.
Sou Regente de Banda e Música e sinto muito não haver informações disponíveis sobre a origem das Músicas que tocamos.
Também, agradeço e parabenizo os comentários que enriquecem mais ainda as informações aqui prestadas.
Sempre que posso procuro esclarecer os Músicos da Banda de Música e a assistência sobre a História das Músicas que executamos, destacando os Compositores e os Arranjadores.
Muito obrigado !!!
Grande abraço a todos !



Por favor, alguém sabe informar a data de nascimento e morte do compositor Manoel Alves Leite?


Fonte: Site MAESTRO ROCHA SOUSA

https://maestrorochasousa.blogspot.com/2009/05/o-dobrado-1.html




DOBRADO 182 (Antonio do Espírito Santo) - Musica executada pela BM PMSP




Dobrado 182 composição de Antonio Manoel do Espirito Santo Musica executada pela BM PMSP

Categoria Música




DOBRADO 182 (Dobrado)
Autor: Antonio do Espírito Santo (Projeto Fortalecimento musical)


Antonio do Espírito Santo Nasceu em Salvador em 10 de maio de 1884, Fez sua primeira composição com apenas 15 anos de idade, o dobrado "Palmeira dos Índios".

Sua composição mais conhecida é a "Canção do marinheiro", com letra do sargento Benedito Xavier de Macedo e também conhecida como "Cisne branco", nome que foi dado ao navio-escola Benjamim Constant, que recebeu esse apelido quando foi todo pintado de branco.

A "Canção do marinheiro" foi gravada em 1917 pelo cantor Baiano na Odeon, com acompanhamento da Banda do Batalhão Naval. Em 1926, seu dobrado "Quatro dias de viagem" foi gravado pela Banda do regimento de Fuzileiros Navais do Rio de Janeiro.

Segundo o pesquisador Renato Almeida, o compositor teria deixado cerca de 200 composições, entre as quais, o dobrado "Bombardeio da Bahia", além de tangos, valsas e polcas, e arranjos para óperas como "O Guarani", de Carlos Gomes.


QUATRO DIAS DE VIAGEM - Marchas e Dobrados do Brasil (Banda de Música da Escola de Sargentos das Armas)



Luis Antonio Rabelo
Quatro dias de viagem
Compositor - Antonio Manoel do Espirito Santo
Música executada pela BM EsSA.
(Banda de Música da Escola de Sargentos das Armas).

https://youtu.be/WeqUqkdovl0






DOBRADO BATISTA DE MELO - O dobrado mais tocado em formaturas! (CANÇÕES MILITARES)






Marchas e Dobrados Brasileiros
- Dobrado Batista de Melo
- Composição: Matias de Almeida

Histórico: O dobrado Batista de Melo foi composto a partir de um pedido do Senador da República Joaquim Batista de Melo ao compositor Matias de Almeida para celebrar a posse do Marechal Hermes da Fonseca, eleito Presidente do Brasil em 1910.

https://youtu.be/IdF1mKQaAj0



Saiba Mais:

PARTITURA do dobrado BATISTA DE MELO (Matias de Almeida/Manuel Leite Alves), Adap. Júnior Clarin.





BATISTA DE MELLO

Artista:Manoel Alves
Instrumento:Clarinete
Gênero:Choro, Samba
Possui cifra:Sim 
Possui melodia:Sim 
Dificuldade:Média
Formato:PDF
Adicionada em:08/06/2016
Exibições:12.422
Downloads:1.761
Tamanho do Arquivo:37 KB

Todas as músicas são de propriedade de seus respectivos proprietários.
Ao realizar o download desta partitura você concorda que ela será utilizada apenas para fins pessoais, educacionais e não-comerciais.




------------------

O Dobrado - A Nossa Marcha Cívica
https://maestrorochasousa.blogspot.com/2009/05/o-dobrado-1.html


Observação, veja os comentários e respostas sobre esta matéria do link acima.




O Dobrado Batista de Melo não seria do compositor Matias de Almeida? porque em algumas partituras de algumas bandas tenho observado essa contradição em relação ao autor deste dobrado. muito boa a pequisa, parabéns meu querido,um abraço, Auciran Roque.


Isso. O dobrado Batista de Melo foi composto por Matias de Almeida a pedido do senador da República Joaquim Batista de Melo, para homenagear a posse do Marechal Hermes da Fonseca, eleito Presidente do Brasil em 1910.




Anônimo



Batista de Mello, é de autoria do músico Manuel Leite Alves, nascido possivelmente na cidade de Elói Mendes-MG. O Dobrado foi composto entre os anos de 1890 e 1896,- ainda no alvorecer da Republica-, em homenagem ao fazendeiro da região, conhecido por Batista de Mello. Acontece que Matias de Almeida tinha excelente caligrafia, e assinava as cópias feita por ele. Por um descuido, esqueceu de anotar ''Batista de mello'' lá no canto superior da partitura. E aí veio a confusão.






Embora particularmente acredite que o dobrado Batista de Melo seja de autoria do Manuel Alves Leite baseado nas partituras mais antigas que tive acesso referi-se a esse autor. mas, no entanto, não posso deixar de registrar que existe uma referencia sobre a autoria ser de Mathias de Almeida em uma pesquisa que tive acesso sendo que esse compositor o compôs a partir de um pedido do Senador da República Joaquim Batista de Melo para celebrar a posse do Marechal Hermes da Fonseca, eleito Presidente do Brasil em 1910.



Senador, não; mas deputado federal por Minas Gerais, sim:MELO, Joaquim Batista de *dep. fed. MG 1912-1914.
Joaquim Batista de Melo nasceu em Varginha (MG). Era filho adotivo de Joaquim Elói Mendes, o barão de Varginha, e de Mariana Bárbara da Conceição. Herdou
do pai, além da situação econômica, o prestígio político que o fez se destacar na região.
Ingressou na política ao ser eleito chefe do Executivo do município de Varginha para o período de 1895 a 1897. Foi o responsável pela criação do estatuto da Câmara dosVereadores. Além disso, buscou difundir o gosto pela leitura no município, reformando e ampliando a biblioteca pública e incentivando concursos literários. Encerrada sua gestão, afastou-se da vida pública para administrar os negócios da família. Retornou à política em 1912 ao ser eleito deputado federal. Assumiu sua cadeira na Câmara dos Deputados, no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, em 3 de maio do mesmo ano e exerceu o mandato até 31 de dezembro de 1914, quando se encerrou a legislatura.
Fundou o jornal Aurora da cidade de Elói Mendes (MG), onde faleceu.

Ioneide Piffano Brion de Souza



Independentemente da verdadeira autoria de Batista de Melo a pesquisa está excelente e muito bem exposta. Lamento o tempo em que nossos copistas de outrora (uma parte significativa deles) não tinham o costume de anotar o nome do autor da obra, nem o autor da letra (quando essa existia). Questão da nossa cultura tupiniquim. Mas nada que não possa ser revertido ainda.



Ainda sobre a autoria do dobrado Batista de melo!....Não há dúvidas, que foi composto por Manuel Alves ( Leite? )....Pela minha pesquisa; cheguei a esta conclusão: Nunca existiu senador da república, com o nome de Joaquim Batista de Melo!....O autor desse dobrado, sempre foi o músico Manuel Alves, desde a sua aparição ocorrida entre os anos de 1890 e 1899....Isto é fato!....Existia até bem pouco tempo, nos arquivos da banda da "Força Pública de São Paulo", e da banda do "Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro"; partituras manuscritas desse tempo, e constando o nome do compositor, Manuel Alves ( Leite? )....Eu mesmo, fiz uma pesquisa na editora "Musical Santoni" - São Paulo ( responsável pela edição das partituras ), e lá ouvi esta mesma afirmativa -- até me disseram, que o senhor Matias de Almeida, era apenas um excelente copista, que as vezes esquecia de assinalar, o nome dos autores!....Aliás, o dobrado "Mato Grosso", não é de sua autoria; e sim, do músico L. V. Almeida ( segundo a "Musical Santoni")....Há também, no encarte do selo "Revivendo"- 1991; citação da jornalista Ruth Rocha; em que afirma: o compositor Manuel Alves, homenageia através deste dobrado; o cidadão Batista de Melo -- uma personalidade importante, do interior de Minas Gerais!....( Texto e pesquisa: Prof. e músico Walmir Dantas -- São Paulo ).



Meu caro, Rocha Souza!....Parabéns pelo trabalho de divulgação da musicalidade piauiense; mostrando que no estado do Piauí, existe sim; músicos, compositores e maestros que colaboram com a cultura da música instrumental, através das "bandas de música"....( Walmir Dantas -- São Paulo ).



Meu caro, Rocha Souza!....Parabéns pelo trabalho de divulgação da musicalidade piauiense; mostrando que no estado do Piauí, existe sim; músicos, compositores e maestros que colaboram com a cultura da música instrumental, através das "bandas de música"....( Walmir Dantas -- São Paulo ).



Ainda sobre a autoria do dobrado Batista de melo!....Não há dúvidas, que foi composto por Manuel Alves ( Leite? ) .... Pela minha pesquisa; cheguei a esta conclusão: Nunca existiu senador da república, com o nome de Joaquim Batista de Melo! .... O autor desse dobrado, sempre foi o músico Manuel Alves, desde a sua aparição ocorrida entre os anos de 1890 e 1899 .... Isto é fato! .... Existia até bem pouco tempo, nos arquivos da banda da "Força Pública de São Paulo", e da banda do "Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro"; partituras manuscritas desse tempo, e constando o nome do compositor, Manuel Alves ( Leite? ) .... Eu mesmo, fiz uma pesquisa na editora "Musical Santoni" - São Paulo ( responsável pela edição das partituras ), e lá ouvi esta mesma afirmativa -- até me disseram, que o senhor Matias de Almeida, era apenas um excelente copista, que as vezes esquecia de assinalar, o nome dos autores! .... Aliás, o dobrado "Mato Grosso", não é de sua autoria; e sim, do músico L. V. Almeida ( segundo a "Musical Santoni") .... Há também, no encarte do selo "Revivendo"- 1991; citação da jornalista Ruth Rocha; em que afirma: o compositor Manuel Alves, homenageia através deste dobrado; o cidadão Batista de Melo -- uma personalidade importante, do interior de Minas Gerais! .... ( Texto e pesquisa: Prof. e músico Walmir Dantas -- São Paulo ).



Muito esclarecedor, Sr. Vavá, o vosso comentário e com certeza colabora para elucidar dúvidas sobre a autoria do Dobrado Batista de Melo.



Leia meu comentário. Tenho documentos q vão esclarecer dúvidas de vcs.



como eu escrevi ontem. O Senador Joaquim Batista de Melo filho adotivo do Barão Joaquim Eloy Mendes. Era senador estadual, deputado federal, comendador da Ordem da Rosa, Coronel da Guarda Nacional. Nasceu e faleceu aqui em Elói Mendes, MG, conheci muitas pessoas que o conheceram e contam como ele contava a historia deste dobrado que leva seu nome. Se interessarem em saber detalhes sobre ele entrem em contato comigo no meu face.. que escrevi um livro sobre a cidade e lá tem páginas sobre o senador Batista de Melo. Face = comendador Francisco Carlos. Abç.



MELO, Joaquim Batista de
*dep. fed. MG 1912-1914.
Joaquim Batista de Melo nasceu em Varginha (MG). Era filho adotivo de Joaquim Elói Mendes, o barão de Varginha, e de Mariana Bárbara da Conceição. Herdou do pai, além da situação econômica, o prestígio político que o fez se destacar na região.
Ingressou na política ao ser eleito chefe do Executivo do município de Varginha para o período de 1895 a 1897. Foi o responsável pela criação do estatuto da Câmara dos Vereadores. Além disso, buscou difundir o gosto pela leitura no município, reformando e ampliando a biblioteca pública e incentivando concursos literários. Encerrada sua gestão, afastou-se da vida pública para administrar os negócios da família. Retornou à política em 1912 ao ser eleito deputado federal. Assumiu sua cadeira na Câmara dos Deputados, no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, em 3 de maio do mesmo ano e exerceu o mandato até 31 de dezembro de 1914, quando se encerrou a legislatura.
Fundou o jornal Aurora da cidade de Elói Mendes (MG), onde faleceu.

Ioneide Piffano Brion de Souza




é como um vasculhar tesouros encontrar e examinar está publicação e os comentários complementares que se seguem.
obrigado, senhores.

Tango - Mike Mike



Mas o senador Batista de Melo era daqui de Eloi Mendes...escrevi a biografia dele...está sepultado aqui e tem descendentes dele aqui. ..a história do dobrado é real.



Como pesquisador e advogado que colaborou com dezenas de biografias para o CPDOC da Fundação Getúlio Vargas no Rio de Janeiro, transcrevo a biografia que foi publicada no trabalho da FGV: Joaquim Batista de Melo nasceu em Varginha (MG). Era filho adotivo de Joaquim Elói Mendes, o barão de Varginha, e de Mariana Bárbara da Conceição. Herdou do pai, além da situação econômica, o prestígio político que o fez se destacar na região. Ingressou na política ao ser eleito chefe do Executivo do município de Varginha para o período de 1895 a 1897. Foi o responsável pela criação do estatuto da Câmara dos Vereadores. Além disso, buscou difundir o gosto pela leitura no município, reformando e ampliando a biblioteca pública e incentivando concursos literários. Encerrada sua gestão, afastou-se da vida pública para administrar os negócios da família. Retornou à política em 1912 ao ser eleito deputado federal. Assumiu sua cadeira na Câmara dos Deputados, no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, em 3 de maio do mesmo ano e exerceu o mandato até 31 de dezembro de 1914, quando se encerrou a legislatura. Fundou o jornal Aurora da cidade de Elói Mendes (MG), onde faleceu.


José Carlos de Juiz de Fora-MG
6 de maio de 2018 14:50

Boa noite !!!

Desejo parabenizar Rocha Sousa pela pesquisa e pelo texto publicado.
Sou Regente de Banda e Música e sinto muito não haver informações disponíveis sobre a origem das Músicas que tocamos.
Também, agradeço e parabenizo os comentários que enriquecem mais ainda as informações aqui prestadas.
Sempre que posso procuro esclarecer os Músicos da Banda de Música e a assistência sobre a História das Músicas que executamos, destacando os Compositores e os Arranjadores.
Muito obrigado !!!
Grande abraço a todos !




Por favor, alguém sabe informar a data de nascimento e morte do compositor Manoel Alves Leite?




POSTAGEM DE DESTAQUE

UnBHoje - 6 a 12 de novembro de 2020 (Universidade de Brasília)

  06 A 12 DE NOVEMBRO 2020 ANO 35 Nº 6212 ...